Huma reflexões urbanas: Um novo diálogo para pensar a cidade.

Entre os dias 10 e 20 de abril a Huma promoveu um ciclo de palestras e debates com o propósito de discutir a produção do espaço da cidade, seus desafios e oportunidades. Sob curadoria do São Paulo Lab, que faz parte da rede Global Studio X – da Escola de Arquitetura, Planejamento e Preservação (GSAPP) da Universidade de Columbia, em Nova York – o evento Huma Reflexões Urbanas reuniu especialistas de diversas áreas para um diálogo amplo e um diagnóstico profundo sobre as diferentes formas de atuação capazes de melhorar a cidade.

O evento realizado no local do primeiro empreendimento da Huma, o Huma Klabin, marcou o lançamento da marca Huma, que surge no mercado como uma incorporadora preocupada com a qualidade dos espaços também do muro para fora, buscando melhorar a cidade a cada empreendimento. O projeto contou com a intervenção visual “Mural”, do artista Jorge Menna Barreto e do designer Vitor César, que criaram um revestimento temporário com cartazes lambe-lambe na fachada do local do evento, alegrando a sua relação com o entorno. Entendidos como um dispositivo de mediação entre as idéias do projeto do edifício e sua projeção pública, os cartazes foram também distribuídos ao público para que possam se dispersar pela cidade.

Ao discutir a cidade com diferentes atores, reconhecendo a importância do setor imobiliário na construção dos espaços privados, o ciclo Huma Reflexões Urbanas explorou os potenciais existentes na ponte entre os diversos setores que pensam a cidade: acadêmico, público, privado e sociedade civil. A curadoria do conteúdo, feita pelas arquitetas Maria Augusta Bueno e Ligia Nobre, do São Paulo Lab, junto com o arquiteto Alexandre Serrano, da TV1 eventos, teve como perspectiva conectar diferentes atores e explorar questões-chave sobre os novos paradigmas do desenvolvimento urbano. Ao longo de quatro encontros, participaram dos eventos nomes como Jaime Lerner, Denise Xavier, Natália Garcia, Leandro Abreu, Denis Russo Burgierman, Lourenço Bustani, Milton Braga, Fernando Viegas e Rafael Rossi.

Com a amplitude exigida pelo pensamento urbanístico contemporâneo, cada dia do evento teve seus temas específicos e ofereceu um diferente espectro para compreender os diversos fatores que modificam o território das cidades e os novos modos de agir que permitem vislumbrar melhorias no tecido urbano e na vida em uma grande metrópole como São Paulo.

O saldo do evento foi muito positivo: todas as palestras contaram com o máximo de público, mostrando que há muitas pessoas interessadas em pensar uma cidade melhor. Com interesse, pluralidade e conhecimento, os debates reforçaram ainda mais que estamos no caminho certo e que nesse ano importante, de revisão do Plano Diretor de São Paulo, as discussões pelas quais iniciamos nosso percurso são fundamentais para pensar a cidade, seus desafios e oportunidades.Cada um dos quatro dias de evento foi devidamente registrado.

Nas matérias seguintes vamos publicar os vídeos e a síntese do que foi conversado sobre cada um dos seguintes temas: A Cidade Sustentável; Tipologias residenciais e modos de morar; Novas maneiras de atuar na cidade: empreendedorismo sustentável; Morfologia Urbana e legislação: oportunidade e desafios.